quinta-feira, 27 de abril de 2017

Sarandi - começa a FEISA 2017

Acontece neste final de semana em Sarandi a FEISA 2017, a maior feira do setor de móveis e vestuários da região Norte do RS.
A FEISA vai até segunda-feira dia 01¤ de maio,venha visitar:

+ Mais Informações ››››››

Programa 085 27-04-2017 CEL São Lucas da Vila Progresso - Apocalipse 3.7-13


+ Mais Informações ››››››

Jornal da Liberdade edição 1729

Jornal da Liberdade edição 1729
+ Mais Informações ››››››

CCT - Comissão de Ciência e Tecnologia - Audiência Pública para debater a situação das Rádios Comunitárias no Brasil

Debate sobre rádios comunitárias. Participe: http://www.senado.leg.br/ecidadania. Envie comentários ou perguntas por meio do Portal e-Cidadania e do Alô Senado, pelo número 0800 612211.
Audiência Pública para debater a situação das Rádios Comunitárias no Brasil.

+ Mais Informações ››››››

Entrevista com o presidente do STR sobre as reformas do governo golpista

Entrevista com o presidente do STR de Três Palmeiras sobre as Reformas da Previdência e Trabalhista propostas pelo governo golpista de Temer.
+ Mais Informações ››››››

Entrevista Esportiva - Presidente do Guarani Gilmar e Secretário dos Esportes Cristiano

Entrevista Esportiva com o presidente do Clube Guarani de Três Palmeiras, Gilmar Passaglia e com o Secretário dos Esportes Cristiano Ecker.
+ Mais Informações ››››››

Ramiro pede vitória para Grêmio superar decepção do Gauchão

Ramiro pede vitória para Grêmio superar decepção do Gauchão | Foto: Cristiano Munari / Especial / CP
A eliminação do Gauchão que decepcionou os torcedores causou insatisfação e indignação também entre os jogadores, garantiu o volante Ramiro nesta quarta-feira. Após o treino comandado pelo técnico Renato Portaluppi na Arena, o camisa 17 gremista afirmou que espera uma vitória sobre o Guaraní, do Paraguai, nesta quinta para o Tricolor superar a queda no estadual.

“Foi decepção para a torcida e para nós jogadores também. A mesma insatisfação e indignação do torcedor nós temos. A gente ficou muito decepcionado pelo que aconteceu. Sabíamos que tínhamos possibilidades de chegar à final, mas aconteceu. Amanhã temos outro compromisso em uma competição de extrema importância no ano. Vamos reerguer a moral nossa de vencer e a confiança dos torcedores”, projetou Ramiro.

Além da queda do Gauchão, a vitória do Deportes Iquique sobre o Zamora pressiona o Grêmio a vencer o Guaraní para não se complicar na busca por vaga nas oitavas de final da Libertadores. Ramiro reiterou que a conquista dos três pontos dará tranquilidade ao Tricolor para o compromisso contra os chilenos na próxima semana.

“É importante essa vitória para a gente abrir quatro pontos para o Iquique e ficar em uma situação confortável indo para o jogo lá (no Chile) podendo com o empate ficar em uma situação tranquila”, disse.

Mudança de posicionamento

O Grêmio tem uma dúvida na escalação para a partida contra o Guaraní entre Barrios e Arthur. Se o volante for o escolhido, Ramiro deverá atuar adiantado. Questionado sobre a mudança, Ramiro disse que se sente bem nas duas funções. Ele, porém, fez questão de dizer que não acredita que seu posicionamento tenha tido influencia na eliminação no Gauchão.

“Eu jogando como volante a gente ganhou de 4 a 0 do Juventude e de 5 a 0 do Veranópolis. Quando as coias negativas acontecem é fácil apontar que uma coisa ou outra está errada. Sempre deixei bem claro que não tenho preferência por posição. Quero sempre ajudar. Penso que a equipe vinha jogando bem comigo de volante e por uma infelicidade ficou fora da final”, avaliou.

+ Mais Informações ››››››

"Eu quero mandar no meu terreno", diz D'Ale sobre chance de título no Gauchão

Eu quero mandar no meu terreno, diz D´Ale sobre chance de título no Gauchão | Foto: Felipe Nabinger / Rádio Guaíba / Especial / CP
Aos 36 anos, D'Alessandro terá no próximo domingo mais uma final de Gauchão com o Inter. Calejado por decisões anteriores e acostumado com a ansiedade que antecede uma final, o argentino não esconde que ainda tem sede por mais uma taça com a camiseta colorada. Em entrevista coletiva, ele deixou claro o desejo de vencer novamente o Gauchão e de colocar o clube como dono do Rio Grande do Sul pela sétima vez seguida.

"Eu acho que o Gauchão nunca foi óbvio. Eu tenho um pensamento meu sobre isso que é o seguinte: Eu gosto de mandar em casa. Eu quero mandar no meu terreno, no meu território. Aqui (Rio Grande do Sul) existe uma briga sadia entre dois times grandes, mas eu quero ganhar na minha casa e por isso sempre demos valor ao Campeonato Gaúcho. Sempre dissemos isso e nunca fugimos desse repertório, até porque o torcedor valoriza e nós somos muito cobrados para chegar à final", disse D'Alessandro em entrevista coletiva.

A vontade de conquistar mais um Gauchão não impede D'Alessandro de reconhecer as virtudes do Novo Hamburgo e de colocá-lo como um adversário perigoso. "A chegada do Novo Hamburgo à final não me surpreendeu porque é o time de melhor campanha. Eles nos venceram na primeira fase e até era um momento em que estávamos nos reestruturando, não tínhamos uma ideia formada. Agora é outro momento. Acho que o Novo Hamburgo é o time a ser batido", observou.

D'Alessandro destacou que o Inter chegou à final depois de não jogar bem contra o Caxias, mas salientou que o objetivo do primeiro semestre foi cumprido. "Acho que fizemos um jogo inteligente para estar na decisão. Era importantíssimo. São sete finais seguidas, com a possibilidade de ganhar novamente. Mas temos de respeitar o Novo Hamburgo porque é um time que jogo de igual para igual com o Grêmio. Se não entrarmos concentrados e ligados, podemos nos dar mal", avisou o capitão colorado.

+ Mais Informações ››››››

Vendaval causa destruição em SC

Três pessoas morreram, casas foram destelhadas e ruas foram interditadas durante forte vendaval na madrugada desta quarta-feira em Santa Catarina. O Litoral, o Norte e o Vale do Itajaí foram as regiões mais atingidas. O oeste também registrou ocorrências. Com informações do G1

De acordo com a Defesa Civil, o temporal durou menos de uma hora, mas foi o suficiente para provocar estragos em moradias e derrubar árvores. As mortes durante o mau tempo ocorreram em Itajaí, onde um jovem e suas irmãs foram atingidos por choque elétrico e não resistiram. Ele teria encostado na fiação da residência, que também foi destelhada.

No Norte do estado, foram registradas quedas de árvores e destelhamentos em várias regiões. Em Joinville, os casos mais graves ocorreram nos bairros Nova Brasília, Ulysses Guimarães, Quiriri e Paranaguamirim. As rajadas de vento chegaram a quase 60 km/h, conforme o coordenador da Defesa Civil, Márnio Luiz Pereira.
Em Jaraguá do Sul, Corupá e Guaramirim, além de quedas de árvores e de um outdoor, unidades ficaram sem energia elétrica. São Francisco do Sul também ficou sem energia elétrica até pouco antes das 11h.

O temporal danificou três subestações na parte continental, que é ligada a Joinville, e outras três na Ilha. Em função dos danos causados pela chuva e vento fortes, as aulas das escolas municipais foram suspensas.

No Litoral Norte, em Balneário Camboriú, ao menos 10 ocorrências foram registradas na central da Guarda Municipal. A maioria foi quedas de árvore e fios de luz caídos nas ruas.

Em Blumenau, ruas ficaram obstruídas por causa da queda de árvores, placas retorcidas e semáforos desligados pela falta de energia elétrica.De acordo com a Guarda Municipal de Trânsito foram vários pontos na cidade com bloqueios na pista.

No Oeste, em Xanxerê, por volta da 1h30, ao menos 50 casas foram destelhadas, árvores e postes de energia elétrica caíram, informou a Defesa Civil.

Rodovias foram bloqueadas

No km 121 da BR-101, duas faixas no sentido Sul foram fechadas devido a árvores sobre a pista e uma faixa no sentido Norte ficou interditada porque uma árvore se projetava sobre a rodovia. O trânsito foi liberado por volta das 8h40. Até as 9h15, havia 17 km de fila no sentido Sul e 15 no sentido Norte.

Na BR-280, no km 11, em São Francisco do Sul, o trânsito ficou bloqueado até 8h20. Até pouco depois das 9h havia filas no local, segundo a PRF.

A BR-470, no km 225, em São Cristóvão do Sul, na Serra, também houve queda de árvore e bloqueio de trânsito durante a madrugada. O mesmo foi verificado na BR-282, em Erval Velho, no Oeste, mas o fluxo de veículos havia sido normalizado no início desta manhã.

Em Chapecó, no Oeste, pouco antes das 5h, a SC-283 ficou parcialmente obstruída após um deslizamento de terra. A Defesa Civil não informou uma previsão de horário para liberação do trânsito.

Fonte:G1SC
+ Mais Informações ››››››

Trabalhadores dos Correios entram em greve por tempo indeterminado

Os trabalhadores dos Correios entrarão em greve por tempo indeterminado hoje (26) a partir das 22h. As ameaças de privatização e demissões, o fechamento de agências e o "desmonte fiscal" da empresa, com diminuição do lucro devido a repasses ao governo e patrocínios, são os principais motivos para a mobilização, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect).
A estatal afirma que teve prejuízos de R$ 2,1 bilhões em 2015 e R$ 2 bilhões no ano passado. Em dezembro do ano passado, foi anunciado um plano de demissão voluntária e o fechamento de agências para reduzir os gastos. Já a Federação alega que a receita tem crescido.

“O que tem acontecido é um plano de desmonte próprio da empresa, atacando a própria qualidade e universalização do serviço. Faz parte de um projeto privado com interesse de entrar no mercado”, disse a secretária de Imprensa da Fentect, Suzy Cristiny.

Segundo a entidade, a "privatização" coloca em risco o direito da população aos serviços dos Correios, já que a empresa tem fechado agências em cidades menos lucrativas. “Mais de 200 agências estão sendo fechadas por todo o Brasil. Com isso, muitos moradores do interior e das periferias vão ficar sem o atendimento bancário e postal dos Correios do Brasil”, informou a federação.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, tem dito que é contra privatizar os os Correios, mas que a empresa terá que fazer “cortes radicais” de gastos para evitar a privatização, já que o governo não socorrerá a empresa financeiramente.

Críticas dos grevistas

Além do fortalecimento de franqueados e o fechamento de agências próprias, o que, na opinião da federação, “esvazia os negócios da empresa para a iniciativa privada”, a Fentect critica os repasses da empresa ao governo federal acima do valor estabelecido. “Nos últimos anos, os Correios repassaram para o governo federal R$ 6 bilhões e, desse montante, R$ 3,9 bilhões foram acima do valor estabelecido legalmente, prejudicando as reservas financeiras e investimentos necessários para a modernização da empresa”, informou.

A entidade cita ainda o distrato de R$ 2,3 bilhões do Banco Postal com o Banco do Brasil e a destinação de R$ 300 milhões em patrocínios nas Olimpíadas e pede uma auditoria na contabilidade da empresa.

Os sindicatos de todo o país se reúnem hoje (26) para referendar a manifestação sobre a greve. As entidades e a empresa já promoveram mesas de negociação, mas, segundo a secretária, não houve avanços. Ela disse ainda que os trabalhadores dos Correios se unirão às manifestações marcadas para a próxima sexta-feira (28) contra as reformas trabalhista e da Previdência.

Além da mobilização pelo fortalecimento institucional dos Correios e universalização dos serviços, os trabalhadores reivindicam melhorias nas condições de trabalho, a contratação de novos funcionários, mais segurança nas agências, o retorno da entrega diária e o fim da suspensão de férias.

Outro lado

Em nota, a empresa informou que, caso o movimento grevista seja deflagrado, os Correios adotarão as medidas necessárias para garantir a continuidade de todos os serviços. “Uma paralisação dos empregados neste momento delicado pelo qual passa a empresa é um ato de irresponsabilidade, uma vez que a direção está e sempre esteve aberta ao diálogo com as representações dos trabalhadores”, informou. Os Correios não se manifestaram sobre as reivindicações dos trabalhadores.

AgênciaBrasil
+ Mais Informações ››››››

Juiz solta cinco suspeitos de assalto milionário no Paraguai

A Justiça do Paraná soltou nesta quarta-feira cinco suspeitos de integrar a quadrilha que explodiu uma transportadora de valores em Ciudad del Este, no Paraguai, roubou uma quantia milionária e fuzilou um policial que trabalhava como segurança. Eles haviam sido presos na operação de captura conjunta das polícias brasileiras, no interior do Paraná, supostamente em fuga do país vizinho.

A decisão foi do juiz Ariel Nicolai Cesa Dias, de Foz do Iguaçu. O magistrado entendeu que pelo menos três prisões foram ilegais e mandou expedir alvará de soltura. Contra dois suspeitos, ele reconheceu o flagrante por receptação de um carro roubado, mas determinou que respondam em liberdade. Nenhum deles portava armas ou dinheiro roubado quando do flagrante, apesar de terem sido abordados em situação suspeita. Todos negaram o crime. O juiz não citou na decisão nenhum vínculo provado deles com o assalto em solo paraguaio.

Conforme a Polícia Federal, chegava a quinze o número de presos nesta quarta-feira, suspeitos de envolvimento no assalto à Prosegur, de onde foram levados cerca de 8 milhões de dólares – 1,5 milhão recuperados por agentes policiais no Brasil. Suspeita-se que a quadrilha responsável pelo megarroubo tenha mais de cinquenta integrantes e vínculos com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Três criminosos morrem em tiroteios no lado brasileiro da fronteira. As buscam continuam.

O juiz aplicou medidas cautelares a outros dois suspeitos presos em flagrante – Jonh Cleiton Schmidt Weis e Lucas Fernando Ferreira Rocha, que cumpria pena, dirigiam um Ford Focus roubado na sexta-feira passada, com uma máscara no porta-luvas. Eles foram libertados com o compromisso de comparecerem a todos os atos do processo e de não se ausentarem de casa por mais de oito dias sem anuência da Justiça.

Fonte:Revista Veja
+ Mais Informações ››››››

Justiça do Trabalho suspende expediente, audiências e prazos em função da greve geral no RS

A Justiça do Trabalho da 4ª Região vai suspender o expediente interno e externo das unidades administrativas e judiciárias, de primeiro e segundo grau, em função da greve geral de sexta-feira. O Órgão Especial do TRT-RS levou em consideração o anúncio de que a paralisação pode comprometer o funcionamento dos serviços de transporte e segurança.

Também foram suspensas as audiências e sessões de sexta-feira, assim como os prazos processuais e regimentais, inclusive do sistema PJe. Os prazos que vencem nessa data ficarão automaticamente prorrogados para o primeiro dia útil seguinte. Medidas judiciais urgentes devem ser atendidas em regime de plantão.

A decisão também levou em conta manifestações do Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul (OAB-RS), da Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas (Agetra), da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Amatraiv), do Fórum Interinstitucional de Defesa do Trabalho e Previdência Social (Fids) e do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul (Sintrajufe-RS).

Fonte:AuOnline
+ Mais Informações ››››››

Familiares das vítimas do acidente da Chapecoense denunciam abandono à Comissão de Direitos Humanos

Familiares de vítimas do acidente aéreo, ocorrido em 28 de novembro de 2016, no qual 71 pessoas morreram, dentre as quais 19 jogadores da Associação Chapecoense de Futebol, denunciaram aos deputados gaúchos que foram abandonados pelo time e pelas autoridades. Eles participaram, na manhã desta quarta-feira (26), a convite do deputado, Álvaro Boessio (PMDB), da reunião ordinária da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia do Rio Grande do Sul, onde relataram a situação de desamparo e de falta de informações a que estão submetidos.

“Cinco meses após o acidente, há moças com crianças no colo aguardando esclarecimentos. Logo depois que terminou o velório de nossos familiares, que foi assistido por todo o Brasil, nenhuma autoridade se pronunciou mais”, denuncia Paulo Gobbato, pai do preparador físico da equipe, Rafael Gobbato, que morreu na queda da aeronave.

Gobbato afirmou que as famílias querem respostas. “Não sabemos por que contrataram a empresa boliviana Lamia para fazer o transporte e quem foi o responsável pela contratação”, revelou. Além disso, ele denunciou que, dos R$ 3,8 milhões arrecadados em doações, pouco mais de R$ 1 milhão foram distribuídos às famílias. “Queremos mais transparência, queremos saber o montante das doações e para quem foram destinadas”, apontou.

O advogado Márcio Floriano, que representa a família de Gobbato, afirmou que a seguradora negou a cobertura de U$S 25 milhões, prevista no contrato, e propõe uma compensação financeira às famílias das vítimas, em troca da desistência do valor inicial. Ele anunciou ainda que famílias estudam a responsabilização jurídica da Chapecoense por acidente de trabalho.

Associação e audiência pública

A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos adotará uma série de providências para apoiar os familiares das vítimas. A primeira delas, sugerida pela vice-presidente, Miriam Marroni (PT), é procurar o governo do Estado para verificar como está se dando o atendimento aos gaúchos que foram afetados pela tragédia. Já por sugestão da deputada Manuela d Ávila (PCdoB), a CCDH procurará o clube de futebol, a Comissão de Direitos Humanos de Santa Catarina e a Comissão de Relações Exteriores da Câmara Federal. Além disso, por proposição do deputado Álvaro Boésio (PMDB), será realizada audiência pública em que todos os familiares, dirigentes da Chapecoense e autoridades relacionadas ao fato serão chamados.

O deputado Lucas Redecker (PSDB), filho de deputado federal Júlio Redecker, falecido no acidente envolvendo a empresa TAM em 2007, recomendou aos familiares a formação de uma associação para acompanhar o desfecho do caso. “De forma individual, fica mais difícil reivindicar e obter informações. O drama vivido pelos familiares que estão aqui hoje é idêntico ao das demais famílias. Além disso, é preciso ter prudência e ter noção de que nem tudo será resolvido de um dia para outro”, frisou.

Retaliação

Na mesma reunião da CCDH, o diretor-executivo do Sindicato dos Servidores da Defensoria Pública, Thomas Nicolas Vieira, denunciou assédio moral praticado pela direção do órgão contra dois diretores da entidade. O motivo, segundo Vieira, seria o fato de o sindicato ter se manifestado contra o projeto de Lei (PL) 174/2016, de autoria da Defensoria Pública, que transforma 220 cargos de carreira em cargos de comissão.

De acordo com o sindicalista, em retaliação, a direção da Defensoria relocou, sem motivação e sem conhecimento da chefia imediata, dois diretores do sindicato que atuavam na DP Itinerante. “Na verdade, foi uma permuta de ofício, sem que a administração informasse o número do expediente e a motivação do ato. Acreditamos que a prática afetou o direito do servidor de ter sua condição de trabalho respeitada”, apontou.

Por proposição do deputado Pedro Ruas (PSOL), a CCDH solicitará a revogação do ato. “Toda a permuta não solicitada é retaliação. E não podemos aceitar a prática, especialmente, vindo da Defensoria Pública”, justificou.

+ Mais Informações ››››››

Postagens que talvez você não viu!!!