quarta-feira, 17 de abril de 2019

Jornal Comunitário - Rio Grande do Sul - Edição 1731, do dia 18 de abril de 2019

Edição 1731, do dia 18 de Abril de 2019
CLIQUE AQUI PARA BAIXAR:

OPÇÃO 01 IVOOX

OPÇÃO 02 DRIVE

Um Jornal Comunitário de edição colaborativa, produzido pelas emissoras de Rádios Comunitárias do Estado do Rio Grande do Sul, seja você um correspondente da sua região, entre em contato pelos telefones Whatsapp 54 9611 0186 ou 54 3367 1351.


NA EDIÇÃO DE HOJE
Mais de 25,5 mil trabalhadores sofreram acidentes em canteiros de obras em 2017.
Redes de abastecimento de água no Brasil contêm 16 pesticidas altamente tóxicos.
Polícia Federal prende dez suspeitos de participação em fraudes no seguro-desemprego.
Prazo entra na reta final e menos da metade dos brasileiros declarou o IR.
Deputados questionam falta de professores na rede estadual.
CPERS aprova estado de greve e pede 28,78% de reposição da inflação.
Mortes no trânsito caem 22% em estradas com radares.

+ Mais Informações ››››››

Programa Informativo da Prefeitura Municipal de Três Palmeiras de 17-04-2019

+ Mais Informações ››››››

Programa Passos na Fé de 17-04-2019


+ Mais Informações ››››››

Jornal da Liberdade Edição 2216 de 17-04-2019

+ Mais Informações ››››››

Programa Agora é Hora de Falar de Esportes de 17-04-2019

+ Mais Informações ››››››

Ladrão é preso ao tentar assaltar motociclista usando batata-doce como arma

O assaltante “Zé Batata” tentou roubar um motociclista, que reagiu e conseguiu deter o suspeito após uma luta corporal

Um homem foi preso após tentar assaltar um motociclista usando uma batata doce como arma. O assaltante abordou a vítima com a mão na cintura fingindo estar armado e chegou a entrar em luta corporal com a vítima após ela reagir. Samuel Lira Rodrigues, 29 anos, foi apelidado pelos policiais da Central de Flagrantes I como “Zé Batata”. O caso aconteceu na noite da segunda-feira (15), no bairro do Benedito Bentes, parte alta de Maceió.

A vítima, cujo nome não foi informado, tem 19 anos e relatou que estava pilotando a moto da empresa para a qual trabalha, uma distribuidora de bebidas, quando foi surpreendida pelo suspeito. “Ele falou ‘perdeu, perdeu, perdeu’. Nisso, ele segurou no galão da moto e ela estancou caindo por cima de mim. Depois, ele já veio me agredindo dando um tapa na minha cara”, relatou.


O trabalhador contou ainda que o assaltante o levou para um matagal, onde iniciaram uma luta corporal após o suspeito o agredir com um ferro da motocicleta. “Ele começou a me agredir com aquele ferro. Foi o exato ponto em que eu não aguentei ai fui pra cima dele e reagi”, contou. Em seguida, a vítima conseguiu deter o suspeito e o levou para a pista, onde pediu socorro para acionaram a Polícia Militar.

Somente após imobilizar o assaltante que a vítima percebeu que ele estava armado com uma batata doce. Segundo informações, Samuel Lira tem passagens pela polícia por furtos. Devido aos ferimentos, o suspeito foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Benedito Bentes. Após receber atendimento e ser liberado, ele foi conduzido à Central de Flagrantes I, onde foi autuado por assalto.

Fonte: OP9
+ Mais Informações ››››››

Polícia encontra mala com 20 kg de maconha em Erechim

Foto: Divulgação/BM
A polícia também fez apreensão de materiais e equipamentos supostamente furtados e trocados no ponto de drogas.

A polícia encontrou 20,355  kg de maconha em um barraco da rua  Santa Barbara, no bairro Cristo Rei, em Erechim Uma denuncia anônima teria levado até a mala onde a droga estava acondicionada.  Na casa em frente ao barraco, que supostamente pertence a mesma pessoa,  foram encontrados diversos materiais usualmente trocados em pontos de venda de entorpecentes, tais como, rádios automotivos, e equipamentos como makitas e lixadeiras, entre outros.

No mesmo local os policiais encontraram um colete balístico e algumas munições de espingarda .12. Não foi informado se alguém foi preso.

Fonte: AuOnline
+ Mais Informações ››››››

Semana Santa deve comercializar mais de 4 mil toneladas de peixe no RS

Estima-se que esta quantidade represente de 20 a 25% da produção.

Durante a Semana Santa a comercialização de peixe é intensificada no Rio Grande do Sul e, para este ano, a Emater/RS-Ascar prevê o aumento de 9% no volume a ser comercializado, passando de 3.890.601 kg para 4.229.765 kg. Estima-se que esta quantidade represente de 20 a 25% da produção. Comparado com o ano passado, o número de escritórios da Instituição que apresentaram informações sobre a comercialização de peixe também aumentou, passando de 402 para 485 escritórios locais. O levantamento é feito desde 2009 e envolve os escritórios municipais e regionais, sendo que o processamento das informações e o resumo dos dados são realizados no Escritório Central da Emater/RS-Ascar, em Porto Alegre.

Enquanto o volume de comercialização aumentou, o preço médio de venda reduziu em cerca de 2%, de R$ 14,01 para R$ 13,66 o quilo do produto. Em todo o Estado, os preços variam de R$ 41,20 o kg do camarão descascado, passando pelo filé de tilápia, vendido a R$ 26,01 o kg e o filé de carpa capim, a R$ 21,27 o kg, até a carpa prateada inteira, vendida em média a R$ 9,46 o kg, a tilápia inteira, a R$ 8,12, e a violinha inteira, vendida a R$ 5,85 o kg.

A comercialização é feita em 332 locais de feira, o que totaliza 1.070 dias. Há venda de peixes também em outros locais de comercialização (6.233 pontos de venda), como na propriedade (2.776), na residência do pescador (2.036), na beira da praia (368), por vendedores ambulantes (290), na beira dos rios (217), em pesque-pague (162) e em outros locais (384), como supermercados e açougues.

Segundo o levantamento da Emater/RS-Ascar, as espécies de peixe mais vendidas são carpa capim inteira (732.387 kg), tilápia inteira (407.420 kg), carpa húngara inteira (345.520), tilápia filé (326.992 kg), carpa capim eviscerada (297.181 kg), carpa cabeça grande inteira (291.710 kg), carpa prateada inteira (277.993 kg), carpa húngara eviscerada (157.516 kg), carpa prateada eviscerada (134.923 kg), carpa cabeça grande eviscerada (119.444 kg), tainha eviscerada (85.355 kg), jundiá inteiro (76.535 kg) e tilápia eviscerada (74.565 kg), além de outras espécies de filés (64.810 kg), traíras, jundiás, piava, pescada, linguado, corniva, grumatã, viola, pacu abrótea, papa-terra, surubim, truta, siri/marisco e sardinha/peixe-rei.

“Durante o ano, a Emater/RS-Ascar planeja e executa várias atividades nas áreas de piscicultura”, destaca o assistente técnico estadual em Piscicultura da Emater/RS-Ascar, Henrique Bartels, ao citar, entre as ações, a elaboração de projetos de viveiros e orientação aos criadores de peixes na construção, calagem e adubação de viveiros e açudes, na introdução dos alevinos, no manejo e controle da qualidade da água, na alimentação dos peixes, no controle das doenças, na despesca, na comercialização da produção e nas formas de consumo.

Fonte: Emater/RS-Ascar
+ Mais Informações ››››››

094 -17 ABRIL, QUARTA FEIRA SANTA - VIVER A PÁSCOA COM INTENSIDADE

+ Mais Informações ››››››

Medidas repercutem mal e caminhoneiros já marcam nova greve

Foto: Nilton Cardin/Parceiro/Agência O Globo
Dedéco, uma das lideranças dos autônomos, afirma que paralisação já está agendada para o dia 21 de maio, mas, se diesel aumentar, podem parar antes

Caminhoneiros não ficaram satisfeitos com o pacote de medidas anunciadas nesta terça-feira, 16, pelo governo Bolsonaro para ajudar a categoria e já se articulam para fazer uma nova paralisação. Segundo o caminhoneiro Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, que foi considerado um dos líderes da greve de 2018, a paralisação já está marcada para o dia 21 de maio –quando fará um ano da greve do ano passado.

“Estamos trabalhando nos bastidores e vamos parar o Brasil no dia 21 de maio, se não parar antes. Nós exigimos respeito, dignidade, não só do governo como do Brasil. Ninguém valoriza essa classe, que só tem tomado na cabeça desde o governo Dilma”, disse o Dedéco.

Porém, segundo o caminhoneiro, caso o diesel aumente, os autônomos da categoria falam em cruzar os braços de quatro a cinco dias após a medida.

Dedéco disse que enviou um áudio com essas informações para o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, após o pacote de medidas anunciado pelo governo federal nesta terça-feira, onde critica o plano. “Nada do que anunciaram nos ajuda. É um avanço conseguir dinheiro a baixo custo no BNDES? É. Mas hoje mais da metade dos caminhoneiros está com o nome no Serasa, porque não consegue pagar o caminhão.”

O caminhoneiro alertou o ministro a já criar um gabinete de crise. “O senhor pode montar o gabinete de crise aí no Palácio do Planalto, porque a paralisação vai acontecer no dia 21, data marcada pelo nosso grupo. Foi o nosso grupo que começou a paralisação no ano passado. Nós não temos mais condição de sobreviver. Nós podemos até parar antes, principalmente quando vier o aumento da Petrobras”, afirmou o Dedéco.

Em alguns grupos de WhatsApp, que já articulavam a greve, o plano foi visto como uma “cortina de fumaça”, forma de protelar uma possível paralisação.

Fonte: Veja
+ Mais Informações ››››››

Postagens que talvez você não viu!!!