domingo, 12 de janeiro de 2014

Consumo regular de chocolate reduz gordura

Estudo espanhol mostra que o ingestão do doce reduz a quantidade de gordura corpora

Depois de colhidas, as frutas de cacau são quebradas e têm as sementes retiradas, fermentadas e secadas ao sol. Ao serem torradas e moídas, produzem uma massa de consistência cremosa e cor bem escura. Essa é a matéria-prima básica para a fabricação do chocolate, que poderá receber os mais diversos ingredientes - como leite, açúcar, aromatizantes e gorduras vegetais - para agradar ao paladar dos inveterados chocólatras.

O grande número de adoradores que comemoram a invenção da iguaria ganharam um motivo a mais para celebrar. Em pesquisa publicada na revista científica Nutrition, cientistas espanhóis concluíram que o consumo de chocolate pode estar associado à diminuição da gordura corporal, especialmente daquela que mais incomoda: a abdominal.

O trabalho investigou o consumo de chocolate por 1.458 adolescentes de nove países europeus, incluindo a Espanha, com idade entre 12 e 17 anos. Os próprios voluntários autorrelataram, em uma plataforma digital, a quantidade do alimento que foi ingerida por dois dias não consecutivos. Os pesquisadores, por sua vez, registraram características fisiológicas de cada participante, como o tamanho da circunferência abdominal, o índice de gordura total, além da altura e do peso - com os quais eles calcularam o índice de massa corporal (IMC). O resultado da análise dos dados surpreendeu os pesquisadores.

Os adolescentes com maior consumo de chocolate (em média 42,6g por dia) tiveram os níveis de marcadores de gordura mais baixos, eram mais ativos fisicamente, tinham mais energia e também a maior ingestão de gordura saturada. Tudo isso em comparação aos participantes com o menor consumo (em média 4,7g por dia). Os resultados mostraram-se independentes de gênero, idade, maturação sexual, quantidade total de energia consumida, ingestão de gordura saturada, frutas e hortaliças, assim como da prática de atividade física. Os bons indicadores não são uma exclusividade dos jovens. Um estudo anterior relatou que a maior frequência de ingestão de chocolate está ligado ao menor IMC também em adultos.

O chocolate é rico em flavonoides, especialmente aqueles conhecidos como catequinas, que têm propriedades antioxidantes, anti-hipertensoras, antiaterogênicas (evita depósito de gordura), antitrombóticas e anti-inflamatórias.

- Os dados permaneceram inalterados após o ajuste para alimentos com alto teor de catequinas (frutos, vegetais e chá) ou produtos como o café, que poderiam influenciar a associação observada entre o consumo de chocolate e os marcadores de gordura corporal - reforça Magdalena Cuenca-Garcia, principal autora do trabalho e professora do Departamento de Fisiologia Médica da Escola de Medicina da Universidade de Granada, na Espanha.

A equipe liderada pela cientista tem como hipótese que esse efeito benéfico pode ser, em parte, devido à influência do chocolate sobre a sensibilidade à insulina e à produção de cortisol. O nutricionista do Instituto Nacional de Cardiologia Marcelo Barros explica que a insulina é o hormônio que leva o açúcar para dentro da célula.

- Toda vez que temos uma resistência a ela, existe uma tendência a ganhar peso. Toda vez que ocorre o aumento do hormônio cortisol, também vai ter um aumento de peso. Isso já é comprovado - garante.
As catequinas presentes no alimento seriam as responsáveis por diminuir a reação dessas duas substâncias.

- São as hipóteses que eles levantam. É um primeiro artigo e serão necessários novos trabalhos para confirmar - diz Barros.

Pressão controlada
 Magdalena Cuenca-Garcia lembra que o consumo de chocolate tradicionalmente tem sido associado ao de doces e, por isso, a uma grande quantidade de calorias e à ausência de nutrientes importantes.
- No entanto, relatórios mais antigos sugerem que, em adultos, o chocolate está associado a um menor risco de doenças cardiometabólicas - acrescenta a cientista espanhola.
O nutricionista Marcelo Barros confirma a informação. Segundo ele, desde o início dos anos 2000, vários artigos surgiram demonstrando que a ingestão de chocolate amargo (com mais de 65% de cacau) beneficia o controle da pressão arterial. E não só na prevenção, até mesmo no tratamento da doença.
- Um dos mecanismos é essa diminuição da resistência à insulina. Quando ela é mais alta, tem um elo para o aumento da pressão arterial - explica o nutricionista.

Outro dado importante seria a liberação do óxido nítrico. Propriedades do chocolate provocariam o despejo dessa substância dentro do vaso sanguíneo, levando a um relaxamento e, com isso, abaixando a pressão arterial.

- O óxido nítrico também mantém a parte interna dos vasos mais saudáveis, evitando a ligação plaquetária e o acúmulo de colesterol - acrescenta Barros.

 Efeito no IMC
Um estudo publicado em março do ano passado pelo Departamento de Medicina da Universidade da Califórnia concluiu que a ingestão de chocolate está associada a um IMC menor, independentemente da idade e do gênero dos 1.018 participantes. Essa conexão é oposta às associações que têm como base apenas a ingestão diária de calorias e, segundo os pesquisadores americanos, concorda com uma crescente literatura científica que sugere que  o tipo, assim como a quantidade de calorias, tem impacto nos fatores metabólicos. 


Fonte:CORREIO BRAZILIENSE
Postado por:Elisete Bohrer
+ Mais Informações ››››››

Três Palmeiras - Abertura da 4ª Festa da Uva e da Agricultura Familiar - 4

Outras fotos:





















































































































































Fotos:Elisete Bohrer
+ Mais Informações ››››››

Postagens que talvez você não viu!!!