Nossos Parceiros

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Esclerose múltipla pode ganhar reforço no arsenal terapêutico do SUS

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), anunciou a abertura de consulta pública para a incorporação do medicamento oral fumarato de dimetila, indicado para o uso após a 1ª falha de tratamento da esclerose múltipla ou falta de aderência ou intolerância às formas parenterais (intramuscular ou subcutânea de glatirâmer e betainterferona), pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para participar, médicos, pacientes, familiares e cuidadores podem acessar o link http://conitec.gov.br/index.php/consultas-publicas e dar sua opinião até o dia 16 de maio.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune, inflamatória do sistema nervoso central. Crônica e recidivante, pode levar a sintomas que são altamente variáveis entre um surto e outro e de uma pessoa para outra1. Por isso a importância de adequar o melhor medicamento ao perfil do paciente. Para isso acontecer, é preciso contar com um arsenal terapêutico diverso, que seja eficaz para os distintos momentos de cada paciente e que permita integrá-los, quando necessário.

O fumarato de dimetila é indicado para a esclerose múltipla recorrente remitente (EMRR), que se caracteriza por ataques repetidos (surtos) de sintomas do sistema nervoso3. Lançado nos Estados Unidos em 2013, chegou ao Brasil já em 2015. É considerado o tratamento oral para EMRR mais prescrito do mundo2, com quase 250 mil pessoas no total e mais de 1 mil no Brasil. A diferença, além de sua eficácia e segurança demonstradas por estudos clínicos, está na sua administração - via oral - que contribui para o aumento significativo da aderência ao tratamento. A esclerose múltipla ocorre mais frequentemente entre 20 e 40 anos de idade, é 2 a 3 vezes mais comuns em mulheres e atinge mais de 30 mil brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens que talvez você não viu!!!

Nossos Parceiros