Nossos Parceiros

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

VÍDEO - Facção criminosa teria encomendado túnel para Presídio Central

Túnel para Presídio Central teria sido encomendado por facção criminosa, diz delegado | Foto: Samuel Maciel
O túnel de 50 metros, construído para facilitar a fuga de pelo menos 200 homens do Presídio Central, teria sido encomendado por uma facção criminosa de Porto Alegre. Essa foi a informação relatada pelo titular da 3ª Delegacia de Investigação do Narcotráfico, delegado Rafael Pereira, após a operação Santo.
"Temos informações preliminares, mas muito provavelmente esse túnel foi encomendado por uma facção relacionada ao crime. O trabalho foi muito bem elaborado e acreditamos que o grupo tenha gasto pelo menos R$ 1 milhão para comprar uma casa próxima ao Presídio Central e bancar material e o pagamento das pessoas que cavaram a passagem", disse à reportagem do Correio do Povo. A residência fica na rua Jorge Luiz Medeiros Domingues, no bairro Partenon.
De acordo com Pereira, por se tratar de uma construção bem articulada, a Polícia Civil acredita que um engenheiro teria participado da obra. No túnel, os policiais civis descobriram ventiladores instalados para amenizar o calor. A investigação relatou que os operários trabalhavam todos os dias e apenas faziam uma pausa em dias de chuva. A intenção era terminar a passagem para que a fuga de presos ocorresse durante o Carnaval. Os líderes da facção criminosa que encomendou a obra seriam os primeiros a sair.
Flagrante a partir da chegada de geladeira e fogão
O delegado Rafael Pereira explicou que a ação que descobriu o túnel em direção ao Presídio Central foi deflagrada a partir da chegada de uma geladeira e de um fogão. Para os policiais, a instalação dos eletrodomésticos na casa que foi usada de apoio para a construção representou que os operários estavam prontos para trabalhar 24 horas por dia, acelerando o processo de escavação. Sete homens e uma mulher foram presos na operação que iniciou a investigação há três meses.
Decreto altera nomes das casas prisionais
Os estabelecimentos prisionais do Rio Grande do Sul tiveram seus nomes alterados pelo decreto 53.297, publicado no Diário Oficial dia 11 de novembro de 2016. O Presídio Central de Porto Alegre passa a se chamar Cadeia Pública de Porto Alegre. Já a Penitenciária Feminina Madre Pelletier teve a nomenclatura modificada para Presídio Estadual Feminino Madre Pelletier.
Também foram criadas, no âmbito da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), as Penitenciárias Estaduais de Canoas II, III e IV; a Cadeia Pública de Alegrete; a Cadeia Pública e a Cadeia Pública Feminina de Rio Grande; a Cadeia Pública Feminina de Passo Fundo; o Presídio Estadual Feminino de Lajeado e o Centro de Custódia Hospitalar Vila Nova, em Porto Alegre.



Fonte:CorreiodoPovo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens que talvez você não viu!!!

Nossos Parceiros