Nossos Parceiros

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

VÍDEO - 10 mil agricultores saem às ruas contra reforma da Previdência

Empunhando bandeiras e entoando o cântico "se o agricultor não planta, a cidade não almoça e não janta", 10 mil agricultores familiares do Vale do Rio Pardo e de outras regiões do Rio Grande do Sul tomaram as ruas de Santa Cruz do Sul durante esta terça-feira, 21, contra a reforma da Previdência proposta pelo governo federal. A principal reivindicação é que a aposentadoria rural tenha critérios diferentes daqueles adotados por outras categorias.
Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Cruz, Renato Goerck, o movimento teve uma adesão satisfatória. "Os agricultores estão sensibilizados. Nos deixa contentes saber que a categoria a qual a gente defende veio hoje em grande número", avaliou. Além de uma emenda que exclua os trabalhadores rurais da reforma da Previdência, o movimento pede ainda que seja mantida a pensão de um salário mínimo quando há o falecimento do cônjuge. "É um direito que querem tirar", comentou. "O governo pode até passar a proposta como escreveu, mas a gente não vai ficar quieto. É uma reforma que prejudica os pequenos. Aspectos climáticos, por exemplo, fazem com que o agricultor tenha uma rotina mais pesada", explicou.
A concentração dos manifestantes ocorreu por volta das 8 horas na Rua Galvão Costa, em frente ao pórtico do Parque da Oktoberfest. Com isso, a quadra da rua entre a Tenente Coronel Brito e a Avenida Independência ficou bloqueada para o trânsito de veículos. Às 9 horas lideranças da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag-RS) deram início ao protesto. Após discursos, que ocorreram em frente ao Parque da Oktoberfest, os agricultores saíram em caminhada pela Galvão Costa, até a esquina com a Marechal Floriano, no Monumento ao Imigrante, onde fica a sede do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco).
De lá, os manifestantes continuaram a caminhada pela Marechal Deodoro (passando em frente ao Banrisul e ao Banco do Brasil) até a Rua Ramiro Barcelos, passando em frente à Catedral São João Batista. O destino final foi a agência do INSS, localizada na esquina da Ramiro com a Ernesto Alves. A manifestação terminou perto das 16 horas.
Um dos participantes do protesto foi o deputado federal Heitor Schuch. Segundo ele, os parlamentares em Brasília foram informados sobre a mobilização que aconteceu nesta terça em Santa Cruz. "O presidente da Contag já nos contatou. O eco (do protesto) está chegando em Brasília", comentou. "Agricultor não tem patrão, não trabalha na sombra, não tem carteira assinada, nem fundo de garantia, nem férias e décimo terceiro. Essa categoria especial precisa de um tratamento especial", explicou.





Fonte:Gaz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens que talvez você não viu!!!

Nossos Parceiros